sábado, 8 de novembro de 2014

PROGRAMA CLUBE DO BREGA INAUGURA BAR DOS MOTOTAXISTAS EM APODI




PROGRAMAÇÃO DOS FESTEJOS ALUSIVOS DA PADROEIRA DE FELIPE GUERRA 2014







PRIMEIRO CANTA GOSPEL FELIPENSE ACONTECE NESTE SÁBADO 08 DE NOVEMBRO



Neste Sábado dia 08/11, a cidade de Felipe Guerra será palco de um grande evento evangélico. 
O primeiro Canta Gospel Felipense Oestano, o evento começará a partir das 18h00min na Avenida Mira Selva.

Organização: Pinheiro Produções

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

TRADICIONAL FESTA DA PADROEIRA EM FELIPE GUERRA



Senhas Antecipadas no 1º Lote ao Preço de R$ 20,00 na Loja Monalisa Modas com Alcineide. 

ESSE FESTAÇO VOCÊ NÃO PODE PERDER!
MEGA-SENA ACUMULA NOVAMENTE E PRÊMIO VAI A R$ 45 MILHÕES  



Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 1.650 da Mega-Sena sorteadas na noite desta quarta-feira (5). O prêmio acumulou e pode chegar a R$ 45 milhões no sorteio do próximo sábado (8).

As dezenas sorteadas foram: 17 – 23 – 29 – 38 – 57 – 60.

Ao todo, 133 apostadores acertaram cinco dezenas e levam R$ 28.160,94 e outras 10.962 apostas acertaram quatro dezenas e ganham cada uma R$ 488,10.
A aposta mínima na Mega-Sena é de R$ 2,50 e pode ser feita em qualquer lotérica do País.
POLÍCIA CIVIL DO RN ENTREGA 400 PISTOLAS 



A Polícia Civil do RN efetivou a entrega de 400 pistolas, de calibre ponto 40, para delegados, agentes e escrivães que trabalham em todo o Estado, até esta quarta-feira (5). 
A previsão é de que mais 100 armas, do mesmo tipo, sejam entregues nos próximos quinze dias.
De acordo com o delegado titular da Delegacia de Armas e Munições (DAME), Fábio Rogério Silva, as pistolas foram distribuídas para policiais lotados em todas as delegacias especializadas, de plantão e distritais. 
As armas também foram entregues para o pessoal que atua nas seguintes Delegacias Regionais de Polícia: 2ª. DRP (Mossoró), 4ª. DRP (Pau dos Ferros), 6ª. DRP (Nova Cruz) e 10ª. DRP (João Câmara).

FONTE: Polícia Civil do RN
SÁBADO 08 DE NOVEMBRO COMEÇA A CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A PARALISIA INFANTIL



O Programa Estadual de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) realiza a campanha de vacinação contra o sarampo e a paralisia infantil (poliomielite) no período de 8 a 28 de novembro. Neste ano a campanha terá dois momentos de maior mobilização, com um “Dia D” em 8 de novembro e outro no dia 22. O slogan da campanha é “Vem pra turma da vacinação”.
A campanha contra a poliomielite (paralisia infantil) tem como público-alvo crianças de seis meses a menores de cinco anos. No Rio Grande do Norte esta faixa etária representa 214.034 crianças e a meta é vacinar 95% deste público. Já a campanha contra o sarampo é voltada para a população de 12 meses a menores de cinco anos. A meta é que 95% do total de 190.497 crianças nesta faixa etária sejam imunizadas com a vacina tríplice viral, que protege ainda contra caxumba e rubéola.
A coordenação estadual orienta que todos os municípios mantenham unidades de saúde com salas de vacina disponíveis para a população nos dias de mobilização (Dia D), no horário das 8h às 17h, conforme recomendação do Ministério da Saúde. O alerta é para a importância da vacinação contra o sarampo devido à situação enfrentada em alguns estados do Nordeste, que de 2013 para 2014 os estados de Pernambuco e Ceará apresentaram surtos de sarampo, sendo que este último encontra-se com surto da doença.
A Sesap vai disponibilizar a vacina oral poliomielite (VOP), em gotas, e também a vacina inativada poliomielite (VOIP), na forma injetável, para as situações específicas a serem analisadas pelos profissionais das salas de vacina.

FONTE: Sesap
OPOSIÇÃO INCANSÁVEL E INTRANSIGENTE É O QUE PROMETE AÉCIO NEVES 



Em seu primeiro discurso após a derrota nas eleições presidenciais de outubro, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) prometeu, nesta quarta-feira (5), fazer oposição “incansável e intransigente” ao governo da presidente reeleita Dilma Rousseff (PT). O senador afirmou acreditar que, ao fazer isso, respeita a vontade de todos os eleitores – não apenas dos seus.
"Ainda que por uma pequena margem, o desejo da maioria dos brasileiros foi que nos mantivéssemos na oposição, e é isso que faremos. Faremos uma oposição incansável, inquebrantável e intransigente na defesa dos interesses dos brasileiros. Vamos fiscalizar, cobrar, denunciar", assegurou.
Ao retomar seu mandato, Aécio também frisou que levará adiante, como parlamentar, a defesa de propostas que seu grupo político apresentou ao longo da campanha.
"Retorno com convicções ainda mais sólidas. É nosso desejo contribuir para que o país avance através das reformas que os brasileiros esperam, como a política e a tributária, transformar o Bolsa-Família e a segurança pública em políticas de Estado, melhorar a educação básica, recuperar o investimento em saúde, restaurar a federação. Nosso projeto para o Brasil continua mais vivo do que nunca", disse Aécio.
O senador mineiro falou por 30 minutos para um plenário e galerias lotados. Além da maioria dos 81 senadores, faziam parte da audiência os governadores Tarso Genro (PT), do Rio Grande do Sul; Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio de Janeiro; e Teotônio Vilela Filho (PSDB) de Alagoas, e os prefeitos Fernando Haddad (PT), de São Paulo; Eduardo Paes (PMDB), do Rio de Janeiro; e Arthur Virgílio Neto (PSDB), de Manaus, que aguardavam a votação de projeto que reduz a cobrança de juros em dívidas de estados e municípios.
Aécio Neves fez críticas ao PT, tanto no âmbito do governo quanto da campanha eleitoral. Para ele, a disputa pelos votos foi desigual. Ele mencionou uma frase dita pela presidente Dilma em março de 2013, em que ela fazia referência à postura a se adotar entre adversários políticos.
"Nossos adversários cumpriram o aviso dado ao país: “Podemos fazer o diabo quando é a hora da eleição”, e fizeram. Os detentores do poder usaram despudoradamente o aparato estatal para se perpetuarem no comando. A má-fé com que travaram a disputa chegou às raias do impensável. Espalharam o medo entre pessoas humildes, manipularam o sentimento de milhares de famílias", observou.

Economia e corrupção

Em relação à administração de Dilma e do PT, Aécio criticou a política econômica e acusou o governo de ocultar a realidade e não se preparar para lidar com os problemas.
"O Brasil escondido pelo governo na campanha eleitoral está se revelando. A presidente insistiu em negar o problema da inflação. Apenas três dias após as eleições o Banco Central elevou os juros, e [Dilma] sabia que iria fazer isso. O governo escondeu o rombo das contas públicas, a necessidade de ajustes [de tarifas]. Ao adiar essas medidas, a conta aumenta. A triste realidade é que o governo não se preparou e não tem plano algum que tenha sido trazido ao conhecimento da sociedade brasileira", afirmou o senador.
Em relação à proposta de diálogo e união nacional aventada por Dilma Rousseff em seu primeiro discurso após a divulgação do resultado das urnas, Aécio colocou-se a favor, desde que tal diálogo venha atrelado a compromissos do governo. O senador exigiu ainda punições exemplares aos envolvidos no esquema de corrupção que envolve a Petrobras.
"Qualquer diálogo estará condicionado ao envio de propostas que atendam aos interesses dos brasileiros. E, principalmente, ao aprofundamento das investigações e exemplares punições àqueles que protagonizaram o maior escândalo de corrupção da história deste país, conhecido como “Petrolão”. A missão da presidente é unir o país. Para isso, é preciso falar a verdade e encarar nos olhos todos os brasileiros", falou.
Assim como em sua manifestação anterior, na última terça-feira (4), quando esteve no Senado e falou brevemente à imprensa, Aécio voltou a celebrar o que chamou de “novo Brasil que surgiu das urnas”. Para ele, sua candidatura extrapolou partidos e coligações.
"Assistimos ao despertar de um país sem medo, crítico, mobilizado, com voz e convicções, que não aceita mais o discurso e a propaganda. Os brasileiros descobriram que podem ser protagonistas do seu destino, e tomaram posse do seu próprio país. Ocuparam as ruas não apenas para apoiar um nome, mas para defender uma causa. Não se trata mais de contar votos", declarou.
O tucano concluiu sua fala retomando a ênfase no peso da oposição, que ele prefere personificar não apenas nos parlamentares eleitos e líderes partidários, mas em todos os seus eleitores.
"A oposição não terá a voz de um único líder. Ao olharem para as oposições no Congresso Nacional, não contabilizem apenas o número de cadeiras. Enxerguem através de cada gesto, voto, manifestação a voz estridente de mais de 51 milhões de brasileiros que não aceitam mais ver o Brasil capturado por um partido e por um projeto de poder", concluiu.

FONTE: Agência Senado
SHOW DE MANOBRAS RADICAIS NESTE DOMINGO 09 NA BUKEIRÃO CASA SHOW




Apoios:



SALÁRIO DE R$ 35.919,05 É APROVADA PELA COMISSÃO DO TRABALHO PARA OS MINISTROS DO STF



O aumento dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do procurador-geral da República dos atuais R$ 29.462,25 para R$ 35.919,05 foi aprovado hoje (5), pela Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados.
Foi a primeira votação dos projetos que tornam maiores os salários do Poder Judiciário. Os projetos precisam, ainda, ser aprovados pelas comissões de Finanças e Tributação e pela de Constituição e Justiça antes da votação em plenário.
De acordo com o STF e com o Ministério Público da União, o aumento de 21,9% foi calculado com base na reposição das perdas salariais decorrentes da inflação de 2009 a 2013, mais a projeção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo para 2014.
A elevação dos salários terá impacto em todo o Poder Judiciário, uma vez que os salários dos juízes são calculados a partir dos subsídios pagos aos ministros do STF. Os projetos preveem a majoração a partir de janeiro do ano que vem.
De acordo com o Supremo, o reajustamento terá impacto de R$ 2,5 milhões para o STF e de R$ 646,3 milhões para as outras instâncias do Judiciário. O impacto no Ministério Público da União (MPU) será R$ 226 milhões, porque o salário do procurador-geral (PGR) é referência para os vencimentos dos integrantes do MPU. O salário dos ministros do STF e do PGR são usados com o teto salarial do funcionalismo público.

FONTE: Agência Brasil